Saturday, July 23, 2016

APRENDI A GOSTAR DE TI

Autoria: Isabel Montes

Há muito aprendi a gostar de ti:

Guadiana. 

Sobre ti         velejava,
Amava os caminhos percorridos.
Ouvidos os sons dos peixes, das aves,..
Vestia-me de paz e sonhos transbordava.
De um lado Portugal; bem perto. Espanha.
Que lugar mágico e fascinante!
Um lugar celestial para saborear.
Hoje volto para teus braços,
Com novas roupas,
Novos sapatos.
Mas o coração
é o mesmo:
AMO-TE!

                                                 23/07/2016

Wednesday, July 13, 2016

No cais de Porto Covo

Autoria: M. Isabel Montes

Caminha-se até ao mar.
Para-se no cais e o Bill
Corre pela água, feliz.

Rochas vestidas de verde
Chamam-me para descanso.
Algas saltam como peixes.
Que bom sentir seu toque!
Como dizer não? Não posso.
E o telemóvel respira fundo
e regista o momento
De uma tarde igual a outras
felizes que já passei.
Obrigada!

Tuesday, March 8, 2016

SER MULHER



Imagem retirada da Osmais.com



Ser mulher

Ser mulher
É ser um ser maior
Cantado no masculino,
Sentido no feminino.

Ser mulher
É ser berço de vida,
É ser abrigo da manhã,
Em noite de lua minguante.
É ser Adamastor,
Protetor, no Mar das Tormentas.

Ser mulher é «ser», é querer
Amar e ser amada.
É ser MÃE, beleza fulgurante,
AMANTE. Ser MULHER
é AMOR em botão de flor.

                                                Isabel Montes (16/2/2016)

Wednesday, March 2, 2016

SESSÃO DE AUTÓGRAFOS NA SILARCA - Festival do Cogumelo


     «É um livro infanto-juvenil que nos fala do sonho (na capacidade de acreditar nele) de companheirismo, de aventura, de coragem.
     Numa linguagem adequada ao público-alvo a autora consegue através deste texto saber despertar a imaginação dos mais novos (apesar de nos dias de hoje as pessoas gostarem de pensar que tal não é possível), utilizando espaços e memórias da sua terra natal.» Olinda Gil (Goodreads)


Tuesday, December 15, 2015

REFÚGIO DE LIBERTAÇÃO



Neste tempo natalício, um tempo que deve ser de alegria, para mim é um momento de nostalgia, tristeza e saudade. Saudade do tempo que passou ao lado de amigos, familiares que já não estão aqui. Saudades de alguém que não chegou nem chegará... porque é assim o meu destino e mergulho neste meus livro, que é um refúgio de libertação.



Monday, November 30, 2015

MÁSCARA: «Aos outros, sorris. A ti, lavas-te de lágrimas.»



MÁSCARA

Mascaras-te
Na madrugada.

Crias-te, Vestes-te,
Levantas-te e segues,
No andar confiante,
Gritante, no teu íntimo.

Aos outros, sorris.
A ti, lavas-te de lágrimas.

Aos outros, és feliz.
A ti, adormeces na concha.

Na concha do desespero.

De máscara, te moldas
Num modelo feito de cristal
Que cintila ao sol e de som
Ouve-se o tinir quebrado:
Teu sonho de brado:
FELICIDADE!

Aos outros, és sério.
A ti, rebolas-te na areia.

Aos outros, falas.
A ti, cantas, danças...
... porque és um ser FELIZ!

 Isabel Montes

in Revista Digital «Efémera» de novembro/2015