Tuesday, June 27, 2017

SEMPRE QUE VEJO...


Sempre que vejo uma flor,
Um pássaro, um animal,
Sinto a tua presença,
Alguém que m' acompanha
Nesta vida que é um mistério.

Sempre que vejo uma borboleta
Branca, preta, amarela...
Sinto a tua presença,
Alguém que m' acompanha
Nesta vida que é um mistério.

Sempre que vejo um rasgo
de beleza natural,
Sinto a tua presença,
Alguém que m' acompanha
Nesta vida que é um mistério.

Alguém que se juntou
A outro, outros seres
Que estão no meu caminho.
Não te esqueço:
Eras a minha vida,
O meu sossego.

Sempre que a força se vai,
Aceito o meu destino.
Baixo a cabeça e fico
À espera do teu abraço.

    Isabel Montes, 27/06/2017

Monday, June 19, 2017

O FOGO EM PEDRÓGÃO GRANDE

Fonte: Jornal Online Correio da Manhã

Hoje, as palavras enlearam-se e não tenho rima.

De longe pressentia que algo estranho estava a acontecer. O céu «falava», mas apenas conseguia admirar aquela beleza, no sul de Portugal. Depois, soube o que transmitia: uma das maiores tragédias. Tantas almas sentiram o Inferno na Terra. Que tristeza! Que dor!
O Homem é sábio e por que, ano após ano, nós continuamos a ficar de corações fragilizados perante tragédias que poderiam ser evitadas. Sim, sei que a Natureza é mais sábia e talvez nos queira transmitir que o Homem está no caminho menos certo, mas inocentes perdem as vidas e deixam os que cá ficam sob pesadelos que jamais têm cura.
Há que repensar e agir mesmo no silêncio de cenários paradisíacos.
Vamos fazer programas escolares ensinando a «como nos comportarmos perante diversas adversidades passíveis de serem vivenciadas; vamos fazer jogos interativos sem armas, mas ensinando a ser bom cidadão... não sou muito velha, mas lembro-me dos livros que lia quando criança; dos contos que ouvia à soleira da porta (depois tiraram os passeios não sei por que razão) e todos eles ensinavam-nos a ser bons e a sabermos lidar com a vida.
A todas as almas que partiram neste episódio e a todas as que já partiram, que encontrem a paz e que Deus nos perdoe se praticamos o mal com ou sem consciência e nos ilumine para a prática do bem.

                                                                 Isabel 



Thursday, June 15, 2017

EM FRENTE AO MAR


Em frente ao mar
Deixei-me confundir 
Com a água salgada
Que me procurava
Acalmar beijando-me 
Os pés quentes do sol
Da areia que me aninhava

Em frente ao mar
Gritei, na solidão
Da praia, por ti
Tendo esperança
Que te veria entre
As ondas que iam
E vinham convidar-me

Em frente ao mar
Quisera eu ser sereia
Jogar-me em teus braços
E voltar a sentir 
A energia dos teus abraços

                            Isabel Montes     
                                15 de junho de 2017
   

Thursday, October 13, 2016

VIVO PARA ME ESQUECER


Autora: Isabel Montes


Procurei recuperar o que era recuperável,
Mas estava estagnado pelo tempo.

Procurei realizar sonhos adormecidos,
Mas quem os sonhará comigo?

O vento levou de mim
Quem eu queria bem.

A estrada é minha na velocidade
Que controlo. Os bancos vazios...
Só eu conduzo e o rosto salga-se.

Eu sei que há solução para tudo,
Por isso me deito no leito
E esqueço mais um dia.

Eu sei que há solução para tudo,
Por isso me levanto
Desejando que a Lua chegue
E me abrigue na sua claridade
Sombria e eu me esqueça.

                                    13/10/2016

Monday, October 3, 2016

ISABEL MONTES na FEIRA DO LIVRO da RURAL BEJA

Convite aceite! Estarei na FEIRA DO LIVRO, na Rural Beja.



"O Homem sem alma, sob a chancela das Edições Vieira da Silva, é o terceiro livro de Isabel Montes. As ilustrações (pequenas aguarelas) também são de sua responsabilidade.Memórias envoltas em imaginação dão forma a uma aventura narrada na primeira pessoa do singular, por alguém do sexo masculino que vai revivendo o passado com um olhar crítico de quem já não é criança.Desde o porquê de nomes de ruas que mudam; passando por figuras míticas que deambulam nessas mesmas ruas; os valores éticos: o respeito por quem perdeu a vontade de viver ou a memória (alma?), a amizade, a cumplicidade entre amigos e a geração mais velha; a fé na crença da cura de um problema de demência (alzheimer?) que afeta cada vez mais o ser humano neste século, são “cenários de aprendizagem” que a curiosidade de um olhar levou à descoberta de um lugar paradisíaco onde se realiza o encontro entre quem está ausente com quem pode ser o mediador, o «curador», porque CRER É PODER.Um livro escrito com crianças e adultos que habitam o mundo da autora e que, de certa forma, aí permanecem com saudade, carinho e respeito."



Saturday, July 23, 2016

APRENDI A GOSTAR DE TI

Autoria: Isabel Montes

Há muito aprendi a gostar de ti:

Guadiana. 

Sobre ti         velejava,
Amava os caminhos percorridos.
Ouvidos os sons dos peixes, das aves,..
Vestia-me de paz e sonhos transbordava.
De um lado Portugal; bem perto. Espanha.
Que lugar mágico e fascinante!
Um lugar celestial para saborear.
Hoje volto para teus braços,
Com novas roupas,
Novos sapatos.
Mas o coração
é o mesmo:
AMO-TE!

                                                 23/07/2016

Wednesday, July 13, 2016

No cais de Porto Covo

Autoria: M. Isabel Montes

Caminha-se até ao mar.
Para-se no cais e o Bill
Corre pela água, feliz.

Rochas vestidas de verde
Chamam-me para descanso.
Algas saltam como peixes.
Que bom sentir seu toque!
Como dizer não? Não posso.
E o telemóvel respira fundo
e regista o momento
De uma tarde igual a outras
felizes que já passei.
Obrigada!